A chuva que atingiu Unaí por mais de 40 minutos na tarde do último sábado dia (25) de novembro de 2017, causou diversos pontos de alagamento na cidade de Unaí e destruição em casas no bairro Cidade Nova.

Segundo Dona Silvana moradora do bairro Cidade Nova “Foi um terror a agua invadindo as casas, destruindo tudo, antes de começar esse loteamento nunca havia acontecido isso” afirma Silvana. Adão o açougueiro que mora há 11 anos no bairro, nos disse que o local que aconteceu o incidente era um leito de um córrego e que foi colocado manilhas pequenas para o volume de agua que passa pelo o local. Segundo adão “esses engenheiros são todos burros, eu que sou só um açougueiro e analfabeto sei que não pode ser desta forma.” Afirmou adão a nossa reportagem.

Tragédia anunciada

No dia 2 de novembro a vereadora Shilma Nunes postou em sua pagina do Facebook a preocupação sobre essas manilhas que já havia mostrado que poderia ser um problema futuro, veja o trecho de seu texto: “A obra de manilhamento, realizada pela Empresa do Loteamento na Avenida Pau Brasil no Bairro Cidade Nova, não suportou as chuvas dos últimos dias. Estive no local com o Diretor de Obras do Munícipio o Senhor Divino Paulista. Enviei notificação ao órgão competente e solicitei que seja feito reparo imediato, Pois o tráfego na Avenida está bloqueado e as casas vizinhas foram alagadas, trazendo muito transtornos aos moradores. O responsável da obra já tomou conhecimento do ocorrido esperamos que seja feita a obra com um projeto que ofereça segurança e que seja executado o mais rápido possível.” Esse texto para todos os leitores ter conhecimento foi postado (24) Vinte e quatro dias, antes do incidente do último sábado. Procuramos a vereadora e ela nos apresentou o requerimento feito e protocolado requerendo as mudanças.

O jovem casal perdeu tudo ficou somente com a roupa do Corpo, ele a esposa e as duas crianças estão muito abatidos com o incidente. Para Teresa Pinheiro, psicanalista e coordenadora do Núcleo de Estudos em Psicanálise e Clínica da Contemporaneidade (NEPECC – UFRJ), Ela descreve que perder a casa é perder sua maior referência, uma extensão de si. “São anos e anos construindo a casa para que ela fique com a cara da pessoa. Lá, você se sente protegido, seguro. Perder isso causa uma situação de desamparo total”, resume a psicanalista. E nesse caso de Unaí isso poderia ter sido evitado, uma família constituída perdeu todos os moveis, pois o poder público já tinha conhecimento dos fatos que ali vinha acontecendo via requerimento e visita em loco.

Todos tem a consciência que com grande crescimento na área urbana se necessite de moradias, mas os órgãos competentes também precisa fazer uma fiscalização forte, para que casos como esse não venham acontecer e destrua sonhos.

É preciso que os avanços dos empreendimentos imobiliários se deem na área que não provoque esses impactos ambientais, com a destinação adequada do lixo, tratamento de esgoto e de um correto sistema de drenagem que nesse caso de Unaí aparentemente não funcionou como o requerimento da vereadora já alertava o Prefeito de Unaí.

As tragédias ocorridas em função das forças da natureza acabam potencializando ainda mais a noção de desamparo para aqueles que são vitimas do ocorrido. Entramos em contato com o Empresário para nos dar esclarecimentos, como o mesmo não se encontra na cidade conseguimos contato via telefone, ele nos disse que vai estar na próxima terça feira (28/11) em Unaí e vai nos procurar. Já o poder público, tentamos entrevistar o secretario de Obras Durval Mendonça no local do ocorrido, ele até disse que iria falar, mas não conseguimos falar com ele, ficamos aguardando, mas ele foi embora sem nos comunicar.

Entramos em contato com a assessoria do município Junei Martins que nos respondeu sobre o acontecido veja:

Junei Martins

Robismar, o loteamento em questão, o Amazonas, foi suspenso da mesma maneira que os demais loteamentos. Para regularizar o empreendedor procurou a prefeitura interessado em adequá-lo às exigências do município. A comissão designada para tal fim indicou os procedimentos necessários para regularização. O empreendedor regularizou perante a comissão. O decreto da gestão passada que autorizou o loteamento voltou a valer novamente, pois fora apenas suspenso para regularizações.

Portal Iluminar (Robismar Pereira)

No local do Incidente muitas pessoas comentavam que o Loteador em questão era um dos patrocinadores da campanha do atual prefeito isso Procede?

Junei Martins

Quanto ao outro questionamento os nomes de doadores nas campanhas passadas podem ser verificados no TSE, sinceramente não tenho como fazê-lo. Quanto à caluniosa suposição de sua pergunta. Qual seja: “o prefeito ter liberado o loteamento em decorrência de patrocínio de campanha”. Conhecendo o prefeito Branquinho como conheço, especialmente nesse primeiro ano de assessoria, nem sequer tenho liberdade de ofendê-lo com uma pergunta dessa natureza. O prefeito teve poucas doações para a campanha. Custeou com empréstimos que estão sendo pagos mensalmente por ele até hoje. Tudo em conformidade com a prestação de contas na Justiça Eleitoral.

Portal iluminar (Robismar Pereira): E qual a responsabilidade da prefeitura nesse incidente?

Ainda durante a chuva a prefeitura mobilizou equipes da Defesa Civil (Coordenação nomeada este ano), equipes da Secretaria de Obras, Desenvolvimento Social e SAAE. A responsabilidade da Prefeitura num primeiro momento é de socorro às pessoas afetadas pelo transtorno. Atuou neste sentido. 11 casas foram atingidas. Uma família desalojada. Foi acolhida por parentes. A secretaria de Desenvolvimento Social está fazendo levantamento a respeito dos danos e prejuízos. A secretaria de Obras e o SAAE atuaram imediatamente em conjunto para identificar as causas, e fazer procedimentos emergenciais para evitar que no caso de chuva igualmente intensa nos próximos dias a situação se repita. Isso foi feito, ao findar o período de chuvas obras permanentes serão feitas a exemplo da grota do Taquaril para evitar o mesmo transtorno nos próximos anos.

Portal Luninar (Robismar Pereira): Durval estava no local, nós ficamos no aguardo para ele se manifestar sobre o incidente. Ele no início falou que iria nos atender. Mas foi embora sem se manifestar?

Junei Martins

Também não falei com ele sobre isso, mas certamente foi embora para atender demandas urgentes com vistas à correção da situação objeto da reportagem.

Portal Iluninar (Robismar Pereira): Esse loteamento chegou a ser paralisado? Se foi, porque foi liberado?

Junei Martins

Robismar ele foi suspenso como os demais. As adequações necessárias foram feitas, por isso foi liberado. Há vários loteamentos fazendo adequações. Isso os retorna à condições de regulares.

Texto e Fotos: Robismar Pereira /Imagens: Ilton Vieira.