Segunda Noite de apresentações da Via Sacra 2018 em Unaí, após a missa das 19h00min na Matriz, aconteceram a seguintes cenas da via sacra encenada: prisão de Barrabás, a Santa Ceia, a Agonia e Prisão de Cristo.

A primeira cena foi a prisão do marginal era Bar Aba, que significa “filho de pai Nobre”, um patriota desordeiro, violento, revoltado. Um homem natural da cidade de Jope. Era dotado de muita coragem, força e espírito de iniciativa, mas era muito ignorante e falador, um salteador das estradas e seu ofício ganhou fama e alguns seguidores, formando um pelotão de marginais do qual se tornou o chefe. Bandido ferrenho, atormentava a vida dos romanos.

Por atacar o pelotão de soldados romanos e os sacerdotes do templo, Barrabás foi procurado e caçado por toda a cidade Cenográfica e acabou sendo preso pelo Centurião Varro, juntamente com seus comparsas, Dimas e Jestas. Assim a pena de Barrabás seria nada mais nada menos que a crucificação.

Logo após a prisão do temido bandido, Jesus de Nazaré reuniu com seus discípulos para fazer a última ceia, “A SANTA CEIA” na noite em que Ele foi traído. Jesus “tomando um pão, tendo dado graças, o partiu e lhes deu, dizendo: Isto é o meu corpo oferecido por vós; fazei isto em memória de mim”. Semelhantemente, depois de cear, tomou o cálice, dizendo: “Este é o cálice da nova aliança no meu sangue derramado em favor de vós.” (Lucas 22. 19-20).

Depois de dizer isso, Jesus ficou interiormente perturbado e testemunhou: “Em verdade, em verdade, vos digo: um de vós me entregará”. Desconcertados, os discípulos olhavam uns para os outros, pois não sabiam de quem estava falando.

Depois da última ceia, Jesus foi orar com os apóstolos no jardim de Getsêmani onde Jesus passou por momentos de Agonia “E, posto em agonia, orava mais intensamente; e o Seu suor tornou-se em grandes gotas de sangue que corriam até ao chão” (Lucas 22:44)…

Jesus ainda falava, quando chegou Judas, com uma grande multidão armada de espadas e paus. Iam da parte dos chefes dos sacerdotes e dos anciãos do povo. O traidor tinha combinado com eles um sinal, dizendo: “Jesus é aquele que eu beijar, prendam!” Judas logo se aproximou de Jesus, e disse: “Salve Mestre”. E o beijou. Jesus lhe disse: “Amigo, faça logo o que tem a fazer”. Então os outros avançaram, lançaram as mãos sobre Jesus e o prenderam. (Mateus 26, 47-48-49-50).

Nessa sexta, será encenada a crucificação de Jesus Cristo  junto com sua morte e ressurreição. A encenação terá o inicio às 20h: 00 na praça da matriz.