O município de Cabeceira Grande, no noroeste do Estado MG, tem em media sete (7) mil habitantes. A prefeitura mantém um lixão a céu aberto, a cinco minutos do centro da cidade o local para onde são levados todos os lixos. De acordo com os catadores, no local há também animais mortos e lixo de todos os tipos. Como podemos mostrar em nossa reportagem, confira:

A montanha de lixo fica perto da cidade, mas não há proteção alguma. O mau cheiro é forte e o lixo traz riscos à saúde e ao meio ambiente do lugar. De acordo com um dos catadores, a máquina da prefeitura quebrou e agora o lixo também fica espalhado pela estrada. “Essa máquina vive quebrada, ela empurra esse lixo”, explica o catador.

Estivemos também em Palmital de Minas para verificar o antigo lixão que foi desativado, mais ainda serve de local para os moradores daquela localidade para dispensar lixos e animais mortos como afirma dona Lia moradora a 24 anos da localidade.

VERSÃO DA SECRETARIA DE MEIO AMBIENTE DE CABECEIRA GRANDE

 “Eu, Lays de Sousa Queiroz, Secretária de Meio Ambiente e Turismo do Município de Cabeceira Grande, em nome da Prefeitura Municipal, venho esclarecer quanto à disposição final dos resíduos sólidos do Município de Cabeceira Grande. A prefeitura tem o prazer de anunciar que já estão sendo tomadas todas as providências para abertura do Aterro Sanitário de Pequeno Porte, que atenderá Cabeceira Grande e seu Distrito, Palmital de Minas.

Até o presente momento, todos os estudos topográficos e geológicos do local do aterro já encontram-se elaborados e em poder da secretaria de Meio Ambiente para os devidos andamentos, informamos ainda, que a área onde será implantado o Aterro foi fruto de doação e passa no momento pelos tramites legais de desmembramento de matrícula, para posterior licenciamento. Iniciarão a partir desse momento, o projeto civil do aterro para posterior licenciamento ambiental e início as obras para abertura do mesmo.

Informo ainda que já está sendo elaborado o “Plano de Recuperação de Áreas Degradadas-PRAD” da área do lixão atual, para ser executado após abertura do Aterro, além da criação da Associação Municipal de Reciclagem, que visa uma vida útil maior para o Aterro, além de ser uma fonte de renda.

Aproveito para relatar, que o setor jurídico do município conseguiu suspender uma multa milionária que foi atribuída ao lixão, e não tem medido esforços para colocar o aterro em funcionamento o quanto antes, atendendo as legislações e destinando corretamente os resíduos sólidos do município”. Afirma a secretaria.

Lixão desativado Palmital