DESABAFO E INFORMAÇÃO DE PESSOAS PREJUDICADAS PELA QUARENTENA EM UNAÍ

Após a implementação do decreto fechando estabelecimentos comerciais na cidade de Unaí MG, para amenizar o contágio do Coronavírus, profissionais de beleza como cabeleireiros, manicures, massagistas e maquiadores e agentes de eventos passam por dificuldades, enquanto outras áreas do comercio funciona com algumas normativas em nossa cidade.

De acordo com o Decreto 5.310, editado no início da tarde desta quinta-feira (9/4), o atendimento odontológico em Unaí (incluindo consultórios e clínicas) deve permanecer restrito aos procedimentos de urgência e emergência. Além disso, os profissionais de odontologia deverão observar todas as medidas de segurança e proteção à saúde expedidas pelo Ministério da Saúde e pela Secretaria de Estado de Saúde de Minas Gerais.

As medidas são parte das ações que o município vem adotando para prevenção, controle e combate ao Coronavírus. Mais infelizmente a liberação que era esperada pelos profissionais de beleza como cabeleireiros, manicures, massagistas e maquiadores e agentes de eventos não saiu nessa quinta-feira.

Entramos em contato com o nosso Prefeito José Gomes Branquinho, através do aplicativo do WhatsApp e ele nos disse: “Oi Robismar, boa tarde. Salões de beleza: contatos tem grande possiblidade de contaminação. Muitos deles já encontraram alternativas, estão atendendo a domicílio. Eventos o contato e a aglomeração de pessoas são maiores ainda”. Afirmou o Prefeito.

Em conversa com cabelereiro Sergio Souza, que desabafou com a nossa reportagem sobre as dificuldades encontradas por conta do decreto municipal que proíbe abertura do comercio em seu seguimento. Confira o desabafo do cabelereiro: “Os salões são as minhas únicas fontes de renda. Não sei como farei para sustentar minha família neste momento. Também preciso pagar todas as contas [luz, aluguel, telefone, água] entre outras contas. Se eu não trabalhar, fico sem receber um centavo. Além do mais, não é só eu que estou nessa situação não, também tem 16 rapazes que trabalham comigo que estão na mesma situação ”, afirma o cabeleireiro Sergio, 39 anos, dono da rede Equipe Salão do Sergio, Rua Canabrava 1019.

Questionamos Sergio sobre a distribuição de R$ 600 reais mensais do governo federal para amparar trabalhadores informais durante o momento crítico, Sergio ponderou que a medida pode ajudar, mas não resolve o problema.

Em conversa com Valdecir Costa sobre o fechamento do comercio ele nos disse: ”mesmo sendo muito prejudicado por estar com meu forró fechado, devido minhas despesas ser muito altas para manter o salão de festa, mesmo assim eu fui a favor de fechar, fui contra reabrir as feiras e deixar os salões de beleza fechado. Resumindo sou a favor de que, caso a situação não se agrave até o meado de abril, reabra tudo.  Até porque o prefeito já fez a cagada mesmo de liberar lojas e feiras. Ou baixar um decreto liberando tudo a partir do dia 1 de maio, será tempo suficiente creio eu” afirmou Valdecir, 56 anos, dono do Palácio do Forró.

Em Conversa com Helen Lacerda que também deu sua opinião sobre o assunto, confira: “Então, acho que alguns setores poderiam voltar sim. Como cabeleireiros, manicures, massagistas, maquiadoras e academias deveriam voltar a trabalhar de forma organizada e agendada. Agora eventos mesmo eu sendo do ramo e estando precisando demais, acredito que deveria esperar um pouco mais. Porque a aglomeração é grande mesmo. Precisamos também do fórum e delegacias abertas rapidamente. A população está muito prejudicada com a paralisação desses órgãos” afirmou Helen Lacerda de 44 anos, proprietária da Chácara Terra do Sol.

Em conversa com Dj Carlos, ele fez um desabafo no momento da entrevista, confira: Meu Nome é Carlos César conhecido Artisticamente como “DJ Carlos A Máquina do Som”, tenho 30 anos de idade e 15 de carreira. Com a pandemia da Covid 19 a situação ficou precária, pois no momento só tinha renda das festas as quais tocava, com isso cheguei ao desespero, pois não estava prevenido para passar por essa situação. Hoje todas as minhas dividas estão em atraso e não tenho nem ideia de como fazer, porque mesmo que consiga essa ajuda do governo não dá para pagar as contas! ” Exclamou o DJ.

A situação da “PERSONAL BRONZE” autônoma TALITA MEDEIROS, 38 anos, também é complicada. Confira: “Estava com a minha agenda lotada até maio. Depois da publicação do decreto, mesmo sabendo que iria continuar trabalhando com todos os cuidados devidos. Mais acabaram não liberando, pois acabou que me prejudicou bastante. Tenho 18 anos de carreira e nunca imaginei que isso poderia acontecer, não estava preparada. Por conta disso, vou acabar vivendo de favor dos outros, as contas não param de chegar e não terei nem o que dar para minha filha. A única coisa que quero é poder trabalhar igual eu trabalhava ganhando meu dinheiro honestamente. Afirmou Talita.