Atendendo várias manifestações dos nossos leitores, entramos em contato com o poder Executivo para saber quais as ações efetivas que até o momento foi realizado pela secretária de saúde da Cidade  de Unaí MG DIANTE DA PANDEMIA DA COVID-19 .

Escolhemos as perguntas que mais apareceram durante os questionamentos entres os internautas para fazermos para a secretaria Denise via assessoria de comunicação, confira as perguntas realizadas:

    

1- QUAL O VALOR INVESTIDO SE HOUVER, DIANTE DA PANDEMIA DA COVID-19?

RESPOSTAS: É provável que nas próximas semanas tenhamos uma parcial dos investimentos feitos até o momento, a equipe técnica responsável por essas informações vai consolidar os dados para que possamos divulgar.

2- QUANTOS RESPIRADORES FORAM ADQUIRIDOS?

RESPOSTAS: Não existe respirador disponível para aquisição no mercado. Há dificuldade para aquisição no mercado nacional e internacional.

O Hospital Municipal de Unaí é a unidade com o maior número de respiradores, atualmente são 13 respiradores, e na rede privada, em razão da recente instalação da UTI no Santa Mônica, tem mais 15 respiradores, portanto, há em Unaí 28 respiradores no momento.

Soubemos que a GRS deve divulgar documento oficial nesse sentido, que decorre de levantamento feito por aquele órgão, que pode divergir das informações levantadas pela nossa Assessoria de Comunicação.

3- QUANTAS MÁSCARAS FORAM COMPRADAS EM RAZÃO DA PANDEMIA?

RESPOSTA: A secretaria de Saúde adquiriu 15 mil mascaras para as   Unidades de Saúde. ainda não recebeu.15.000 máscaras para o Hospital – mas ainda não recebeu. A Prefeitura adquiriu material para os voluntários confeccionando também, onde não conseguimos mensura a quantidade ainda. A Associação dos voluntários tem atuado de maneira muito efetiva na confecção de máscaras para o nosso município.

4 – A SECRETÁRIA DE SAÚDE VAI REALIZAR ALGUMA CAMPANHA DE MÁSCARAS PARA AS PESSOAS QUE NÃO TEM CONDIÇÕES DE COMPRAR?

RESPOSTAS: Unaí é uma cidade muito solidária, já há uma iniciativa em curso pelo Rotary, como divulgado nas redes sociais, a própria Prefeitura tem sido alvo de doações de máscaras, com iniciativas da Associação de Voluntários do Hospital Municipal e parceiros, e a Secretaria da Cultura também participou de uma ação nesse sentido.

Nossa Central de compras retornou à informação de que os fornecedores contactados, e foram muitos, alegam falta de matéria prima.

Seguimos sugestão do Ministério da Saúde, no sentido de recomendar máscaras caseiras, artesanais, e podem ser confeccionadas individualmente.

5- AS UTIS DO SANTA MÔNICA JÁ ESTÃO À DISPOSIÇÃO DA PREFEITURA EM FORMA DE CONVÊNIO? SE ESTIVER QUANTOS LEITOS TEM DISPONÍVEL PARA AS PESSOAS QUE NÃO TEM CONDIÇÕES FINANCEIRAS?

RESPOSTA: O contrato já está pronto, e deve ser publicado nos próximos dias.

 

GRIPE E SARAMPO: VACINAÇÃO COMEÇA QUINTA (23/4) NA ZONA RURAL

Na medida em que as vacinas forem chegando (remessas estão chegando aos poucos), a Secretaria de Saúde vai liberando o cronograma da campanha na zona rural.

A primeira remessa de vacinas dá para os três primeiros dias:

QUINTA-FEIRA (23 de abril)

– Boa Vista: 8h as 10h

– Casa do sr. Natal: 10h30 as 11h30

– Casa da Maria das Dores: 12h30 as 13h30

– Fazenda Jardim: 14h as 15h30

SEXTA-FEIRA (24 de abril)

– Ruralminas (posto de saúde): 8h as 11h30

– PA Boa União: 13h as 14h

– Retiro Boa União: 14h30 as 15h30

SEGUNDA-FEIRA (27 de abril)

– Kamayurá (Rotary): 7h30 as 8h30

– Kamayurá (sede da associação): 9h as 10h30

– PA Florestan Fernandes (casa da agente Solange): 11h as 13h

– Capão do Arroz (bar da Inês): 14h as 15h 

QUEM DEVERÁ SER VACINADO?

CONTRA O SARAMPO, deverão ser vacinados indivíduos de 20 a 49 anos (mesmo quem já tomou a vacina, precisa repetir a dose).

CONTRA A GRIPE (INFLUENZA), deverão ser imunizados todos os integrantes do público-alvo: crianças de seis meses a cinco anos; gestantes; puérperas (mulheres que tiveram filho nos últimos 45 dias); maiores de 55 anos de idade; doentes crônicos; trabalhadores da saúde; motoristas de caminhão; motoristas e cobradores de ônibus e de lotações do transporte urbano; policiais civis e militares; bombeiros militares; agentes e servidores do sistema prisional e socioeducativo.

Como não há vacina disponível para toda a população, esses grupos-alvo devem apresentar documentação pessoal. Os trabalhadores precisam, ainda, apresentar carteira funcional (ou de trabalho), contracheque ou documento comprobatório de que trabalha na função.

Os portadores de doenças crônicas, além dos documentos pessoais, devem apresentar o relatório (ou receita) médica indicativa do problema.