FAMÍLIAS DE UNAÍ E DE TODO BRASIL SOFREM COM A PANDEMIA E COM ALTO CUSTO DE MEDICAMENTOS

     Famílias de Unaí e de todo Brasil sofrem com a pandemia, primeiro no decorrer da internação, e após a alta, sofrem com os altos preços das medicações receitada pela consequência da doença e muitos estão lucrando com isso.

     Remédios que não podem ficar sem tomar com altos custos nas farmácias, em média valores chegam de 600 a 800 reais. Segundo pesquisa realizada durante essa crise mundial os  remédios para pacientes com covid ficaram até 400% mais caros, diz estudo do RS a análise incluiu 22 fármacos, relacionando preços de ata do Ministério da Saúde e comparando aos valores médios praticados em março de 2020 e o mesmo mês deste ano.

    Para vocês leitores ter como base, o   cisatracúrio, um bloqueador neuromuscular, teve aumento médio de 434%. De R$ 15,73 no ano passado, passou a custar R$ 84,03. Já o rocurônio, relaxante muscular, subiu 362%, de R$ 19,26 para R$ 89,13 esses são exemplos, mais diversos outros medicamentos tiveram alta.

      O outro motivo que esses medicamentos são receitados é que essa inflamação também provoca alteração na coagulação sanguínea, gerando pequenas tromboses ou micro trombos no sistema circulatório, podendo provocar lesões em vários órgãos.

    Em resumo, o novo coronavírus provoca uma grande inflamação em todos os órgãos e, mesmo após os 14 dias (tempo médio de duração da doença), o organismo ainda tem uma reposta inflamatória muito intensa, que dura, em média 90 dias e por isso a importância da compra desses medicamentos que para maioria dos Brasileiros estão sofrendo com o alto custo.

QUAIS SÃO AS SEQUELAS MAIS COMUNS DA SÍNDROME PÓS-COVID?

– Dor de cabeça constante

– Alterações cognitivas

– Dificuldade de raciocínio

– Perda de concentração

– Lapsos de memória

– Depressão

– Comprometimento psicológico

– Fadiga extrema

– Dores por todo o corpo e nas articulações.

QUAIS OS SINTOMAS MAIS GRAVES?

– Falta de ar

– Dor no tórax

– Dificuldade para respirar

– Cansaço com pequenos esforços

PROTOCOLOS

“O paciente, logo após a primeira semana de alta da Covid-19, seja a doença manifestada de forma leve, moderada ou grave, deve buscar um pneumologista para que exames sejam realizados, como tomografia computadorizada de tórax, avaliação da função pulmonar, exames laboratoriais específicos, exames do coração e ultrassonografia de abdômen total e, desta forma, averiguar se alguma sequela ficou. Os exames são feitos com uma periodicidade, sendo realizados até um ano após a cura da doença” informa o médico.

O pneumologista ainda ressalta que “essa é uma sugestão de protocolo. Ainda são poucas as propostas na literatura internacional”.

TRATAMENTOS

“Os tratamentos são multidisciplinares. Para o paciente que ficou com perda de olfato e paladar, o acompanhamento deve ser feito por um médico otorrinolaringologista, os que têm depressão precisam de apoio psiquiátrico e psicológico. Já os que tiverem problemas neurológicos e dores em todo corpo (neuromusculares) um neurologista ajudará muito”, pontua o especialista.

     Dr. Ronaldo diz que a fisioterapia respiratória e motora também tem um importante papel na recuperação do paciente, assim como os tratamentos prescritos por fonoaudiólogos e médicos de outras especialidades, mas destaca: “cada especialidade médica vem desenvolvendo tratamentos para minimizar os problemas da Síndrome pós-Covid, entretanto, como a principal sequela é o sistema respiratório, nos pulmões, o acompanhamento deve ser feito com um pneumologista. O processo inflamatório pulmonar é o mais grave, pois é muito extenso e ele precisa em média de 90 dias para regredir após a cura da Covid-19”, finaliza.

  Texto: Robismar Pereira /Fonte: Capital Pantanal /crédito: Breno Esaki/Divulgação/Agência Saúde)