DEPOIS DE ROMPER 200 QUILÔMETROS EM QUATRO DIAS DE VIAGEM A CAVALO, COMITIVA DE FORMOSA CHEGA AO BOQUEIRÃO.

Nem só dos antigos romeiros tradicionais vive a romaria de Santo Antônio do Boqueirão.

Vem chegando uma nova leva de romeiros. A comitiva “AMIGOS PELA FÉ, CAVALO E VIOLA” que é de Formosa (GO), exemplo clássico de romeiros recentes. Iniciaram a “TRADIÇÃO” de visitar a romaria em 2015.

Viajaram 200 quilômetros a cavalo. Fizeram quatro pousos ao longo do caminho. “A causa é nobre. Vim pagar uma promessa de família”, contou Rafael de Melo, cheio de devoção e fé.

“Seu” Clausival da Silva Lopes, também de Formosa, veio pela primeira vez. Tomou coragem e acompanhou o filho e os amigos, que desde 2015 percorrem esse caminho. “Estou achando muito bom. Já penso em voltar. Pedi uma bênção a santo Antônio e creio que já recebi”.

 

No meio da comitiva, a reportagem deparou com o padre Adão Soares, da Paróquia Santa Rosa de Lima, de Cabeceiras de Goiás. Já veio à romaria de Santo Antônio algumas vezes, mas de automóvel. Cavalgando, foi à primeira vez.

“Essa viagem foi uma experiência boa”, diz o religioso. Ele conta que além do desafio da cavalgada em si, houve momentos marcantes de experiência espiritual: reza do terço, momentos de orações e reflexões sobre o evangelho.

Padre Adão já fez celebrações no Boqueirão a convite do Frei Geraldo da Abadia, da paróquia unaiense de Nossa Senhora da Conceição, promotora da romaria.

“É uma alegria estar aqui aos pés de santo Antônio”, comentou, já dentro da antiga igreja. Padre Adão é mais um entre milhares que se tornaram entusiasmados romeiros. Já pensa como seria vir a pé, de carro de bois, de bicicleta. “Mas tem de ter muita coragem”, comentou, sorrindo.